terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Dom Helder: difamado pela ditadura brasileira e impedido de receber o Nobel da Paz

Paulo Emanuel Lopes


Dom Helder Câmara, um dos fundadores da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e signatário do Pacto das Catacumbas, documento que contribuiu para a formação da Teologia da Libertação na América Latina, foi difamado pelo governo ditatorial brasileiro [1964-85], através do ministério das relações exteriores, com o objetivo de impedi-lo de receber o prêmio Nobel da Paz. O ato teria sido uma represália pela sua atuação em prol dos direitos humanos dos perseguidos políticos no Brasil.

reproducao
Helder Câmara, um religioso que conseguiu denunciar as agressões promovidas pela ditadura militar, no Brasil. Foto: reprodução.


Câmara, então arcebispo de Olinda e Recife [Estado de Pernambuco], mesmo indicado quatro vezes ao Nobel da Paz, entre os anos de 1970 e 1973, não pôde alcançar o reconhecimento, graças à atuação difamatória do governo brasileiro. Este produziu e difundiu entre os membros do comitê gestor do Prêmio informações que distorciam fatos de sua vida pessoal e religiosa.

A manobra foi revelada a partir de documentos obtidos pela Comissão Estadual da Memória e Verdade Dom Helder Câmara de Pernambuco (CNV-PE), disponibilizados pelo Itamaraty. A Comissão divulgou o conteúdo inédito dessa documentação na última sexta-feira, 18 de dezembro, em solenidade no Palácio do Campo das Princesas, sede do governo executivo pernambucano.
Dom Helder faleceu de causas naturais, em 1999, aos 90 anos.


"No Brasil, se mata e tortura em nome da segurança nacional”


"Isso [a perseguição e difamação a dom Helder] nós já sabíamos. Mas a partir da liberação desses documentos, pudemos reunir provas da atuação da ditadura brasileira para silenciar Dom Helder”, explica em entrevista à Adital a historiadora Lucy Pina Neta, membro do Instituto Dom Helder Câmara (IDHeC), sediado em Recife.

arquivo-pessoal
Lucy Pina Neta é historiadora e membro do Instituto Dom Helder Câmara (IDHeC). Foto: arquivo pessoal

Lucy explica que a perseguição a Dom Helder teria se intensificado a partir de um convite para ele ir à França proferir uma palestra. Era o dia 26 de maio de 1970, e se comemorava o aniversário da Revolução Francesa.
Na ocasião, sob os ideais de "liberdade, igualdade e fraternidade”, propostos pela revolução, Helder Câmara falou abertamente sobre a tortura e as perseguições políticas aplicadas pelo regime ditatorial brasileiro. Exemplificando os casos do religioso Frei Tito, covardemente torturado, e de um estudante pernambucano, que teria "se suicidado”, na Casa do Estudante, em Recife. "No Brasil, se mata e tortura em nome da segurança nacional”, vociferou.

"Aquele foi um ato revolucionário de um pacifista. Foi a primeira vez em que se falava sobre os casos de tortura [do governo militar] fora do Brasil. Por isso Câmara a nomeou [a palestra] ‘Quaisquer que sejam as consequências’, pois não se sabia o que ia acontecer. Um padre muito próximo seu já havia sido assassinado [padre Henrique, torturado e assassinado, em 1969], e havia o risco de não ser aceito de volta ao Brasil”, explica a ativista.

reproducao
Frei Tito de Alencar, que foi preso e torturado pela ditadura militar brasileira. Seu caso conseguiu mostrar ao mundo as incoerências e a violência da ditadura brasileira. Foto: reprodução.


O governo brasileiro impôs um silêncio forçoso à mídia nacional, que foi impedida de citar o nome do bispo. A medida drástica funcionou no Brasil, mas, no mundo, a a figura de Dom Helder Câmara era cada vez mais citada como defensor dos direitos humanos.



Uma política para silenciar os defensores de direitos


O sociólogo e professor universitário Manoel Moraes, relator da CNV-PE e membro do Instituto Dom Helder Câmara (IDHeC), em entrevista à Adital defende que a maior conquista celebrada pela Comissão, neste momento, é a prova de que o governo militar agiu na escuridão diplomática, para silenciar defensores dos direitos humanos, no Brasil. Eles/as eram acusados/as de promoverem uma "campanha de desprestígio” contra o Brasil, no exterior.

"Não estamos discutindo se Dom Helder tinha ou não o direito ao Prêmio [Nobel da Paz], pois esta [Comissão que elege os vencedores] se trata de uma instância privada, não é esta a questão. O que estamos discutindo aqui é a ação difamatória do Estado brasileiro contra um cidadão nacional, que teve sua vida voltada para a proteção e denúncia contra as violações dos direitos humanos”, defende Moraes.

arquivo-pessoal
Manoel Moraes, professor e ativista de direitos humanos, acredita que a campanha difamatória promovida contra Dom Helder Câmara é motivo de vergonha para o Estado brasileiro. Foto: Arquivo pessoal

A ação do estado brasileiro teria violado princípios da Declaração Universal dos Direitos Humanos, como no que se refere à liberdade de expressão.

"Dom Helder denunciou as agressões da ditadura, o que os militares queriam era impedir que sua voz obtivesse mais espaço, silenciá-lo (...). O embaixador brasileiro em Oslo [capital da Noruega, país que outorga o Prêmio Nobel] mantinha o governo brasileiro informado. Por exemplo, há um documento que diz ‘ele não foi indicado este ano, mas no próximo [1971] ele terá grandes chances. [para impedir] Precisamos de recursos, de jornalistas...’”, afirma Moraes.

Na terceira parte do Relatório, nas "Cartas conciliares”, o leitor pode conferir como o religioso brasileiro reagiu ao processo de contrainformação que seu nome despertou. "Helder não se vitimava, acreditava que a sua luta era maior [que receber o Nobel]. Afirmava que sua não indicação era muito mais pelos seus acertos que pelos erros”, afirma o relator da CNV-PE.

Helder Câmara foi agraciado, entre outros, com o norueguês Prêmio Popular da Paz, espécie de "Nobel alternativo”, e com o Prêmio Martin Luther King, nos Estados Unidos.


Fonte: Adital 

Paulo Emanuel Lopes

Colabora com ADITAL.
Email
emanuel@adital.com.br
uellopes@gmail.com


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...