segunda-feira, 13 de abril de 2015

Expedição Aratuba - Sacoila lanceolata (Aubl.) Garay

Aratuba tem origem na língua Tupi, e quer dizer "ajuntamento de pássaros"  através da junção dos termos gûyrá ("pássaro") e tyba ("ajuntamento"). As terras ao redor eram habitadas por índios de origem Tupi como os Canidés. A formação de seu núcleo urbano se deu a partir do século XVIII com as catequeses dos Jesuítas e com pessoas oriundas de Baturité e de outras regiões notadamente do semiárido, provavelmente fugindo das secas.  Seu nome anterior era Coité, depois Santos Dumont e atualmente Aratuba.

O clima tropical quente úmido com pluviometria média de 1737 milímetros anuais. As chuvas concentram-se de janeiro a abril. As fontes de água de Aratuba fazem parte da bacia metropolitana e do Rio Curu, sendo as principais fontes os rios do Aracaju, dos Tavares, o rio Putiú (afluente do rio Aracoiaba) e o Rio Pesqueiro, que deságua no Açude Pesqueiro (com barragem em Capistrano), bem como riachos tais quais o dos Barros, Bom Jardim, do Cedro, Esterteal, Furna da Onça, da Lagoa Nova e Salgadinho.

Aratuba localiza-se no Maciço de Baturité, a uma altura média de novecentos metros acima do nível do mar, possuindo o núcleo urbano mais alto do estado do Ceará (a sede do município localiza-se a 945 metros de altura). Possui relevo bastante acidentado, sendo a principal elevação o Pico do Mussu.

























Da vegetação original que havia resta muito pouco. Mas há vestígios de Mata Atlântica, Caatinga arbustiva aberta e  floresta caducifólia espinhosa. No Pico do "Mussum" ainda encontra-se uma vegetação muito peculiar, bastante degrada pelo pasto de gado, muito parecida com aquelas presente nos Campos rupestres.

Entre os grandes achados desta Expedição do Movimento Pró-Árvore foi a Sacoila lanceolata, uma orquídea terrestre, que foi registrada anteriormente pelo menos em três momentos, na década de 70, "Luizinho", (orquidófilo e sócio da Associação cearense de orquidófilo - ACEO) coletou material onde hoje é o aeroporto, naquela local havia uma mata com áreas alagadas, porém esse material não foi depositado em herbário; no ano 2000 Antonio Sergio (Agrônomo e botânico taxonomista, também ativista do Movimento Pró-Árvore), coletou material em Carnaubal-CE, cujo o exemplar encontra depositado no EAC (Herbário Prisco Bezerra - UFC); possivelmente em 2005 e com toda certeza em 2007 outro orquidófilo, (Arilo Veras) coletou exemplares dessa espécie na serra de Uruburetama, as quais também encontram-se depositadas no EAC. Este achado foi o primeiro registro para a Serra de Aratuba, sendo a espécie identificada pelo amigo e mestre Antonio Sergio, o mesmo que primeiro depositou a espécie em herbário Estes fatos foram narrados por ninguém menos que Wilson Lima-Verde, maior estudioso das orquídeas cearenses e diretor técnico-científico da ACEO.

Sacoila é um género botânico pertencente à família das orquídeas (Orchidaceae). Foi proposto por Rafinesque em Flora Telluriana 2: 86, em 1836, tipificado pela Sacoila lurida Raf., nome ilegal pois havia sido primeiro descrita como Neottia aphylla Hook., em 1828, ambas são sinônimos da anterior Sacoila lanceolata (Aubl.) Garay, publicada em 1775 como Limodorum lanceolatum Aubl. O nome vem do grego saccos, saco, e koilos, oco, em referência ao calcar formado pela base do labelo e sépalas laterais de suas flores. Lanceolata epiteto latim que quer dizer: em forma de lança.

Ocorre geralmente em campo aberto, precisando de muita luminosidade. Erva perene passa a maior parte do ano submersa, somente com suas raízes tuberosas. Quando das primeiras chuvas emerge sua parte vegetativa com folhas pilosas e lança sua haste floral. Como não detêm de muitos recursos, dispensa suas folhas e fica apenas com sua haste floral. Devido ao seu hábito perene é difícil encontrar essa e outras tantas orquídeas terrestres, por isso mesmo há poucos estudos sobre as mesmas.

VIA 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...